segunda-feira, 28 de março de 2016

A invasão brasileira no mundo da moda e do entretenimento

Assim que me mudei para Manila, sempre que dizia ser brasileira, as pessoas citavam não as óbvias referências de sempre: Pelé, Neymar, Gisele Bündchen. Os locais abriam seu melhor sorriso de empolgação e falavam: “Oh, Brasil! Daniel Matsunaga!”. Eu ficava sem graça por não ter a menor idéia de quem fosse essa pessoa. Intrigada, resolvi pesquisar. Descobri que se trata de um modelo nipo-brasileiro que fez carreira aqui e hoje é ator e celebridade local.
E ele não é o único. A lista de modelos brasileiros que fazem sucesso nas Filipinas é extensa. Há ao menos quatro que se deram muito bem no show business. Começaram fazendo fotos e hoje são atores/apresentadores/celebridades. Pesquisei sobre cada um deles para saber o que há de comum em suas trajetórias. Em geral, eles têm alguma ascendência oriental e começaram a carreira em outros países asiáticos - como Tailândia, Japão e China – após terem sido descobertos por olheiros no Brasil.
Daiana Menezes é uma celebridade por aqui
A precursora da chamada "invasão brasileira" foi a modelo e atriz Daiana Menezes, que vive nas Filipinas há 9 anos e hoje é casada com um político local. O pulo do gato para Daiana foi ser selecionada para um programa de auditório super popular por aqui, o Eat Bulaga (uma espécie de Silvio Santos misturado com Pânico, eu diria). A partir daí, ela se tornou uma celebridade instantânea. Passou a estampar capas de revistas e a estrelar anúncios de quase todos os produtos imagináveis.

Conheci Daiana pessoalmente durante uma festa em comemoração ao carnaval, organizada por brasileiros que moram em Manila. Dividimos a mesma mesa e ali ficou claro para mim que ela era uma celebridade. Todos a conheciam. A mãe dela, que também estava na festa, me contou que deixou o Brasil para acompanhar de perto a carreira da filha, que ganhou proporções gigantescas.
Quem seguiu os passos de Daiana Menezes foi Priscilla Meirelles, que também fez participações no Eat Bulaga e hoje é atriz de novelas num canal aberto de grande apelo popular. Priscilla é casada com John Estrada, um ator filipino bastante famoso. Paralelamente à carreira de atriz e modelo, ela dedica-se ao interessante projeto Brazilian Bakery. A marca, criada por ela, salva a vida dos brasileiros perdidos em Manila (como eu) ao vender pão de queijo, pastel, coxinha e brigadeiro. Delícia.
A modelo Priscilla Meirelles em frente à sua Brazilian Bakery
Mas voltemos à invasão brasileira. No time masculino, os maiores destaques são Daniel Matsunaga, Fabio Ide e Akihiro Sato. Todos começaram como modelos e hoje são atores. Este parece ser o principal ponto comum entre todos os brasileiros que fazem sucesso por aqui: todos almejavam entrar no mundo do entretenimento e investiram em mandar fitas para as emissoras de TV.
Fabio Ide e Daniel Matsunaga são sucesso na televisão
Neste sentido, as Filipinas têm muito em comum com o Brasil. A televisão aberta é um fenômeno aqui neste arquipélago e a programação é tão popularesca quanto a brasileira. Os filipinos amam telenovelas e programas de auditório com shows de calouros, mulheres bonitas e assistencialismo. Basicamente a mesmíssima fórmula que há décadas dá audiência no Brasil. Tanto aqui como lá, conseguir um lugar ao sol na TV é um trampolim para o estrelato.
Mas nem tudo são flores na vida dos modelos brasileiros que vêm trabalhar nas Filipinas. Como o país tem um acordo de reciprocidade com o Brasil na isenção de visto de turismo, muitos contam com isso e chegam aqui sem a permissão de trabalho, colocando-se, assim, numa situação de grande vulnerabilidade.
Sem o visto adequado para trabalhar, acabam dando margem para empregadores mal intencionados. Enquanto não emplacam, muitos modelos ganham um salário abaixo do piso e dividem kitchenettes minúsculas com vários colegas. Um cenário bem longe do glamour idealizado.
Para evitar que jovens caiam em armadilhas, o governo brasileiro preparou uma cartilha de orientações na qual descreve as principais dificuldades que têm sido enfrentadas por profissionais que saem para trabalhar fora do país.
A questão dos modelos nas Filipinas é tão premente que mereceu um tópico específico na publicação:
“Há muitos modelos brasileiros, homens e mulheres, trabalhando nas Filipinas. Não há registro de maus tratos ou exploração laboral, mas registram-se ocasionalmente casos de dificuldades. O fator mais problemático decorre do status migratório irregular de alguns profissionais. Muitos viajam ao país como turistas e começam a trabalhar antes de obter o visto adequado, colocando-se em situação de irregularidade e vulnerabilidade.”
Observando o sucesso e também as dificuldades enfrentadas pelos modelos brasileiros nas Filipinas, eu aconselharia que todos os interessados dessem uma lida na cartilha e viessem com toda a documentação correta, de modo a evitar cair na mão de aproveitadores e oportunistas. Sonhar sim e correr atrás do sonho, mas com os pés no chão e cautela.

Um comentário:

Isa RM disse...

Flor, eu descobri seu blog há pouco... O que te levou até as Filipinas? Você trabalha aí?

18 dias no Japão

Foram 18 dias de sonho e muitas caminhadas pelo Japão. Começamos por Tokyo, onde ficamos por 4 dias. A ideia era entrarmos em contato com c...